ESPECIAL VESTIBULAR

ESPECIAL VESTIBULAR: Referências para o futuro

De novembro até agora, cerca de 50 alunos da turma de 2013 do Colégio Sinodal foram aprovados nas universidades do Brasil afora. Desses, 40% começam o ano como graduandos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em cursos como Engenharia, Biologia e Medicina. Além da alegria pela vitória conquistada, eles se tornam exemplo para quem fica por aqui. “Já são uma referência para o futuro”, lembra o diretor Ivan Renner. Mas, alguns deles, como o Rafael Cassel Schmitt, 17, só têm olhos, no momento, para o presente:

Rafael Cassel Schmitt“Às 16h em ponto do último dia 17 de janeiro, o resultado do vestibular 2014 da UFRGS foi publicado no site da instituição. Foi neste horário que Rafael também descobriu o que pretende cursar pelos próximos cinco anos: Engenharia Elétrica. Ao lado dele, mais 19 colegas da turma 2013 do Colégio Sinodal passaram na UFRGS. Para Rafael, a escolha foi mais difícil. Além de ser aprovado neste vestibular, ele também passou nas provas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e na Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Segundo o futuro engenheiro, o segredo está na concentração. “Passei nas provas estudando apenas o conteúdo das aulas do ensino regular”, afirma.

“Esse foi um dos maiores índices de aprovação do Ensino Médio na instituição federal nos últimos anos”, ressalta o diretor Ivan Renner. Alguns alunos também foram aprovados em mais de uma universidade, o que é justificado pelo diretor como resultado do conhecimento que os alunos buscam. “Além do ensino regular, eles têm acesso a uma gama de atividades que complementam o seu conhecimento, como teatro, música, dança, esportes, xadrez, robótica...O aluno recebe todas as ferramentas para traçar o seu caminho fora daqui, tanto o profissional, como o pessoal.”*

*Texto adaptado da publicação veiculada no jornal Vale do Sinos do dia 22 de janeiro de 2014.

Nós conversamos com outros alunos que começam 2014 em uma universidade. Confiram outros depoimentos de quem só tem a comemorar o caminho percorrido:


André Peñaloza Lira: Engenharia Aeronáutica (USP São Carlos) e Engenharia Aeroespacial (UFMG)

Andre Penazola Lira

“Desde meus quinze anos, eu pretendia fazer Engenharia Aeronáutica, quando descobri que o curso existia na USP. O sonho de todo paulista é passar na Universidade de São Paulo, que é considerada uma das melhores do mundo. Então, eu foquei bastante no campo das Exatas para ter uma excelente base. Quando me mudei para o Rio Grande do Sul, eu fiquei um tanto apreensivo, pois não sabia se existiria um colégio bom o bastante para passar na USP. Meus pais me matricularam no Sinodal e eu percebi que com uma boa base, e com tão bons professores, eu conseguiria. Claro, muito esforço foi necessário, mas valeu a pena.  Aliás, tive o grande apoio dos meus pais, da minha avó, da minha irmã, dos meus amigos e da minha namorada, e dedico essa minha conquista a eles.”


Arthur Hideki Katsurayama: Engenharia Hídrica (2º lugar UFRGS)

Arthur Hideki Katsurayama“Eu tinha certeza de que queria alguma Engenharia. Escolher era um desafio, mas com uma boa pesquisa, achei um curso novo, interessante e bem amplo. Além disso, a nota de corte da Engenharia Hídrica era algo bem tranquilo de ser alcançado, tendo eu assim, boas chances de entrar em um curso do qual gostei, em uma ótima universidade. Aproveitei bem as aulas no Sinodal e desenvolvi bastante o meu raciocínio. Para o vestibular, fui com o que o colégio me proporcionou e, todo o aprendizado que tive, compensou. Certamente vou alcançar meus objetivos mais facilmente, pois o Sinodal exigiu o meu amadurecimento. Para o futuro, espero me formar nesse curso sem nenhum problema e ter sucesso no meu trabalho.”


Gabriel Marangoni Moita – Ciência da Computação (UFRGS, Unicamp, 2º lugar Unisinos e UFRJ)

Gabriel Marangoni Moita“Eu ter passado em tantos vestibulares se deve a vários fatores. O Sinodal, sem sombra de dúvidas, foi muito importante para que isso tenha acontecido O seu corpo docente me preparou para todas as provas que estariam por vir. Também foi importante a minha família, que me apoiou e me deixou preparado psicologicamente para a maratona de vestibulares. Preparei-me revisando os conteúdos dados no Ensino Médio das matérias que tinha menos facilidade e das que eram mais importantes para minha aprovação, fazendo também os vestibulares anteriores para saber que estilo de prova eu receberia.”


Giovani Carvalho Albé: Engenharia Civil (2º lugar UFRGS)

Giovani Carvalho Albé“O sucesso no concurso da UFRGS em Engenharia Civil, sem dúvidas, pode ser atribuído à minha dedicação aos estudos no decorrer do Ensino Fundamental e, principalmente, do Ensino Médio. Não se pode esquecer, no entanto, que essa dedicação foi propiciada pelo curso e, sobretudo, pelos professores do Colégio Sinodal. A minha rotina independente de estudos para o vestibular em Ciências Exatas, assim como a rotina de estudos proporcionada pela escola com as provas semanais, contribuíram bastante para o meu resultado. A escolha pelo curso de Engenharia Civil se deve, primeiramente, a meu interesse por construções e, secundariamente, a meu interesse por Ciências Exatas. Quanto ao meu futuro, vejo que a despeito da existência de muitas inovações tecnológicas, cito, no caso, a computação e automação, poucas delas foram agregadas amplamente às construções. Penso, portanto, que esse é bom mercado de atuação.”


Leonardo Vogel Dalcin – Engenharia da Computação (3º lugar UFRGS, PUCRS e Unisinos)

Leonardo Vogel Dalcin“Escolhi Engenharia da Computação por gostar de Eletrônica, Física, Matemática e computadores. Creio que estudei por volta de uma hora e meia por dia, em média. Quando sentia necessidade de estudar, eu ficava horas fazendo exercícios, mas nunca deixei de ter meus momentos de lazer. Minha posição foi o reflexo da minha estratégia de estudos. Fazia praticamente todos os exercícios do Anglo e isso foi bom para não errar questões fáceis na hora da prova e ficar apenas a dois pontos atrás do primeiro colocado. O Sinodal me ajudou especialmente por ter um número elevado de bons professores. Não sei ao certo exatamente qual área da Computação seguirei, pois é um curso muito abrangente e interessante. Espero ter muitas oportunidades para decidir qual será o meu emprego.”


Luísa da Cruz Wendorff: Ciências Sociais (1º lugar UFRGS)

Luísa da Cruz Wendorff“Tive meu primeiro contato com Ciências Sociais no Sinodal, nas aulas de Sociologia. A partir daí, interessei-me pelos assuntos abordados em aula e fui pesquisando cada vez mais sobre eles – era meu hobby. Escolhi esse curso porque quero compreender a sociedade onde nós vivemos e os problemas sociais ainda existentes nela, para tentar resolvê-los. Acredito que fiquei em uma boa posição pelo meu empenho ao longo do ano e, mesmo em férias, continuei estudando até o vestibular. Minha preocupação em passar não me deixou relaxar! Ter feito o Ensino Médio no Sinodal com certeza foi um diferencial na hora do vestibular, por tudo o que aprendi nesses anos e pela preparação que tive em provas anteriores no colégio. Já tinha me acostumado com esse estilo de provas, então, o vestibular não me assustou. E do Sinodal vou levar todo o conhecimento adquirido, os valores que a instituição me passou e o carinho que tenho pelos funcionários. No futuro, eu quero estar trabalhando na área de Ciências Sociais. Posso garantir que pretendo lutar muito pelas causas sociais que eu acredito, porque quero mudanças.”


Luísa Rieth Über – Biologia (8º lugar UFRGS)

Luísa Rieth UberEscolhi Biologia porque foi a matéria pela qual sempre me interessei e também por influência dos meus professores Beta e Milton, que ininterruptamente demonstraram tanto apreço pela matéria que lecionavam, o que de certa forma me incentivou. Acho que o principal motivo da minha boa colocação no vestibular foi a disciplina ao longo do último semestre do ano, bem como o bom aproveitamento que tive nos três anos do E.M.. Estudei constantemente nesse período, devido à rotina rígida de muitas provas no colégio. Assim, não havia matéria acumulada para os últimos meses que precediam as provas do vestibular. Posso concluir que o esforço, somado a uma boa disciplina de estudos ao longo do E.M., facilitou muito na hora de estudar para o vestibular. Pretendo iniciar essa fase aberta a novas perspectivas e me deixar influenciar a fim de poder escolher em qual área da Biologia quero me aperfeiçoar.”


Rodrigo Guilherme Finkler – Engenharia Elétrica (3º lugar UFRGS e 4º Unisinos)

Rodrigo Guilherme Finkler“Decidi fazer Engenharia, pois sempre tive maior interesse no campo das Exatas. E entre todas as Engenharias, a Elétrica foi a que mais me pareceu desafiadora, sendo que em Física, o estudo sobre a eletricidade foi o que mais me atraiu. Sempre tive certa facilidade nos estudos. Para conseguir a vaga, porém, foi importantíssima essa revisão de meio ano no Sinodal. Após o fim das aulas, basicamente revisei o que aparentava ser mais difícil, somente por garantia. Com certeza, o Sinodal foi um diferencial para essa aprovação. Os professores são extremamente qualificados e competentes. Outro aspecto foi a realização frequente de provas, pois removeu a apreensão anterior a um teste. Pretendo ser um profissional capaz e realizar a minha função da maneira como for esperado.”


Vitor Campagnolo – Medicina (UFRGS) e Ciências Aeronáuticas (1º lugar PUCRS)

Vitor Campagnolo“Antes de passar em Medicina, eu fui aprovado para Ciências Aeronáuticas na PUCRS. No entanto, optei pela área Médica porque eu gosto de ajudar as pessoas. É uma área prática da Saúde, em que eu posso estar perto de quem eu quero ajudar. A Medicina proporciona cuidarmos de uns dos nossos bens mais preciosos, que é a vida. Para passar no vestibular, eu fiz apenas o preparatório do Sinodal. Procurei ficar muito tranquilo nos dias antes da prova e acho que isso me ajudou a ser aprovado. Além dessa preparação, a formação humana que a escola me ofereceu nesses anos influenciou o meu resultado. Tive aulas com professores que têm um currículo excepcional, como o prof. Milton e, além disso, o Sinodal sempre teve como valor, o ‘ajudar os outros’. Para o futuro, hoje penso na área da Anestesia, pois sempre gostei de Química, ou talvez a Oncologia, já que é uma área que tem muito a crescer com a pesquisa.”

Integral Sinodal